Author Archives: sp146347-ovh

A bridge over the Douro River: a failed project

In 1179, the first king of Portugal, Dom Afonso Henriques, stipulated the delivery of 300 modios morabitinos for the “Ponti Dorii”, launching the project to build a bridge over the River Douro. The remains of this bridge were still visible in the 16th century when Rui Fernandes wrote his manuscript entitled “Descrição do terreno ao redor de Lamego duas léguas [ 1531-1532 ]“, currently in the Municipal Library of Porto, which reads:

Item between this ferryboat of Bernaldo, and that of Porto de Rey are some fine pillars of a bridge that the Queen Donna Mafalda say she ordered to be made, which are two in the middle of the Douro of very great height, and very wide foundation, that the two that are in the river, in this month of May will be ten palms uncovered, and in the summer will be twenty palms and more, and there are two others outside, one on this side, and another on the other side. These pillars have already been doubled in height, and they broke them down and make fishing grounds out of them” (translation of ms. 547, fl 9).

The pillars of the old bridge were therefore still very visible in his time, although they had already been heavily collapsed: “The arch on one side has already collapsed. There is much broken stone on the hill, and you will find on the hills many mason stone tools, and wedges, and levers, which were left there” (fl. 9).

He also calls for taxes to be levied on the neighboring villages in order to complete the work, “because the majority of it has been done” and because there was still a lot of “broken stone” ready to be used to complete the work:

“Our Lord the King could very well order this half bridge to be built with the payment of two reis to each inhabitant twenty leagues around, and in six or seven years, or less, it could be done without oppression, and it would be a very noble thing” (fl. 9).

However, the work would never be finalized and what remains of these pillars were submerged after the construction of the Carrapatelo dam in 1972, but there are reports from that time mentioning the remains of one of the pillars in the riverbed (Resende. 2014: 423).

Moreover, we have precise information from the fifteenth-century author about its location when he writes that “this work is below a place, that they call Barqueiros moreover that they call Barrô” (fl.  9v), about 18 km from Porto Manso (“from Peares to Porto Manço there are three leagues“, fl. 10), which allows us to estimate its approximate location in the meander of the river between Barqueiros and Barrô, where the riverbanks are narrower (see image).

Approximate location of the Dona Mafalda Bridge, between Barqueiros and Barrô, upstream of the Porto de Rei ferry (over Google Earth image)

Although Rui Fernandes alludes to the legend of the death of the queen’s son when trying to cross the bridge, justifying this way the abandonment of its construction, we cannot exclude the hypothesis that it was finished and that its destruction was later, possibly due to a flood of the river, not least because the chosen location does not seem to be the most suitable for the construction of a bridge, the Douro being such a tumultuous river, and even less so the accesses to the bridge that would have to overcome the steep cliffs from this location.

In his “Elucidário…”, Friar Rosa Viterbo seems to follow this line by referring to documents from the Salzedas Monastery of 1205 containing the will of Dona Sancha Bermudes where it says that she had an estate “at the Douro Bridge”, as well as in another document from 1216, where she donates to the Monastery of Paço de Sousa everything she owned in Barrô and “near the Douro Bridge” (Viterbo, 1799: 227). Thus, it is possible that the bridge was still operational in that period, as Viterbo suggests, serving as an alternative to crossing the Douro at Porto de Rei from the road that connected Marco de Canaveses to Lamego (see https://viasromanas.pt/index.html#porto_de_rei_lamego).

The route from Porto de Rei to Lamego (green) and its variant passing on the Dona Mafalda Bridge (blue)

What is certain is that the dream of building a bridge over the Douro River ended in ruin, and until the 19th century all crossings of the river were provided by ferries. The medieval Douro bridge was a failed project whose implications were felt for many years, and even today there is stil no bridge in the stetch of the river between Régua and Resende, and the new Ermida Bridge, near the latter, was only inaugurated in 1998!

_______________________________________

Bibliography
FERNANDES, Rui (1531-1532) – “Descrição do terreno ao redor de Lamego duas léguas [ 1531-1532 ]“. Caleidoscopio, Ed. Amândio Barros (2012).
RESENDE, Nuno (2008) – “Ponte da Veiga: Lousada“. In ROSAS, Lúcia, coord. cient. – Rota do Românico, 2014. Vol. 2, 419-431.
VITERBO, Frei Joaquim de Santa Rosa de (1799) – “Elucidário das Palavras Termos e Frases”(…). Lisboa: Typographia Regia Silviana (1º Edição), vol. 2.

Ponte do Douro: um projecto falhado

Em 1179, o primeiro rei de Portugal, Dom Afonso Henriques estipulou a entrega de “300 modios morabitinos para a ponti Dorii”, lançando o projecto de construção de uma ponte sobre o rio Douro. Os restos dessa ponte eram ainda visíveis no século XVI quando Rui Fernandes elabora o seu manuscrito intitulado “Descrição do terreno ao redor de Lamego duas léguas [ 1531-1532 ]“, actualmente na Biblioteca Municipal do Porto, onde se lê:

Item entre esta barca do Bernaldo, e a de Porto de Rey estão huns fermozos peares de hua ponte que a Rainha Donna Mafalda dizem que mandava fazer os quais sam dois no meyo do Douro de muito grande altura, e mui largo fundamento, que os dous que estão no rio, neste mes de Mayo hirão bem dez palmos descobertos, e no Verão hirão bem vinte palmos e mais, e estão outros dous de fora hum da parte daquem, e outro da parte dalem. Estes poyares foram já de dobrada altura, e os derribarão, e fizerão delles pesqueiras” (ms. 547, fl. 9).

Estes “peares”, ou seja os pilares da antiga ponte estavam portanto ainda bem visíveis no seu tempo, embora já muito derrubados: “O arco da parte daquem volvia já. Esta hi muita pedra quebrada polo monte, que ficou quebrada, e acharão ainda polos montes muitas marras, e cunhas, e lavancas, que por hi ficarão” (fl. 9).

Apela também para que se lance impostos sobre as povoações vizinhas de modo a concluir a obra, “porque a mor parte hé feito” e porque ainda existia ali muita “pedra quebrada” pronta a usar na finalização da obra:

El Rey nosso senhor podia mui bem mandar fazer esta meya ponte que esta por fazer com deitar des reis a cada morador vinte legoas arredor, e em seis, ou sete annos, ou em menos se podia fazer sem opressão, e seria hua couza mui nobre” (fl. 9).

No entanto, a obra jamais sería concluída e o que resta desses pilares ficou submerso após a construção da barragem do Carrapatelo em 1972, mas há relatos dessa época onde se referem os restos de um dos pilares no leito do rio (Resende. 2014: 423).

Apesar disso, temos informações precisas do autor quinhentista sobre a sua localização ao escrever que “esta obra esta abaixo de hum lugar, que chamão Barqueiros aliás que chamão Barrô” (fl. 9v), a cerca de 18 km de Porto Manso (“des os Peares ate Porto Manço que são tres legoas“, fl. 10), o que permite estimar a sua localização aproximada no meandro do rio entre Barqueiros e Barrô, onde a proximidade entre margens é menor (ver imagem).

Localização aproximada da Ponte de Dona Mafalda, entre Barqueiros e Barrô, a montante da Barca de Porto de Rei (sobre imagem Google Earth)

Apesar de Rui Fernandes aludir à lenda da morte do filho da rainha neste mesmo local para justificar o abandono da sua construção, não podemos excluir a hipótese de a mesma ter sido finalizada e que a sua destruição seja posterior, eventualmente devido a uma cheia do rio, até por que o local escolhido não parece ser o mais indicado para a construção de uma ponte, sendo o Douro um rio tão tumultuoso, e menos ainda os acessos à ponte que teriam de vencer as íngremes arribas desde local.

No seu “Elucidário…”, o frei Rosa Viterbo parece seguir esta linha ao referir documentos do Mosteiro de Salzedas do 1205 contendo o testamento de Dona Sancha Bermudes onde diz que esta tinha uma herdade “à Ponte do Douro”, assim como em outro documento de 1216, onde faz a doação ao Mosteiro de Paço de Sousa do tudo o que detinha em Barrô e “junto da Ponte do Douro” (Viterbo, 1799: 227). Deste modo, é possível que a ponte estivesse operacional nesse período, como sugere Viterbo, servindo como alternativa à travessia do Douro em Porto de Rei da estrada que ligava Marco de Canaveses a Lamego (ver https://viasromanas.pt/index.html#porto_de_rei_lamego).

A via de Porto de Rei a Lamego (verde) e a variante pela Ponte de Dona Mafalda (azul)

Certo é que o sonho de construir uma ponte sobre o rio Douro acabou em ruína e até ao século XIX todas as travessias do rio foram asseguradas por barcas de passagem. A ponte medieval do Douro foi um projecto falhado cujas implicações fizeram-se sentir por muitos e longos anos, e ainda hoje não existe qualquer ponte a ligar as duas margens no trecho entre a Régua e Resende, e mesmo a Ponte da Ermida, junto a esta última povoação, apenas foi inaugurada quando decorria já o ano de 1998!

______________________

Bibliografia
FERNANDES, Rui (1531-1532) – “Descrição do terreno ao redor de Lamego duas léguas [ 1531-1532 ]“. Caleidoscopio, Ed. Amândio Barros (2012).
RESENDE, Nuno (2008) – “Ponte da Veiga: Lousada“. In ROSAS, Lúcia, coord. cient. – Rota do Românico, 2014. Vol. 2, 419-431.
VITERBO, Frei Joaquim de Santa Rosa de (1799) – “Elucidário das Palavras Termos e Frases”(…). Lisboa: Typographia Regia Silviana (1º Edição), vol. 2.


A post about the ancient roads of the Algarve

Despite being a strongly Romanised region, the road network in antiquity in the Algarve region remains with several open questions. The different proposals that have been put forward, often incompatible with each other, do not allow to draw a general picture of the network. The first researcher to tackle the problem in a scientific way was Estácio da Veiga at the end of the 19th century, initiating a series of studies based on the archaeological evidence he was compiling and publishing during his field surveys. By definitively proposing the location of Balsa in the area of the present-day Quinta de Torre de Aires (instead of Tavira) and of Baesuris in the sideric settlement of Castro Marim (instead of Ayamonte), Veiga clarified many of the doubts that had remained about the location of these settlements since the initial proposals launched by André de Resende in the 16th century (Veiga, 1886). In turn, the location of Ossonoba in Faro was only definitively established in the mid-20th century by Abel Viana, dispelling another of Resende’s misconceptions, who associated Ossonoba with the monumental remains of the villa of Milreu in Estoi (Resende, 1593: fl.189; Viana, 1952: 250-285)..

According to the soc-called “Antonine Itinerary” (IA, 425.6), these three port settlements on the Algarve coast were connected by a road, presumably running parallel to the coastline (Veiga, 1886). At the beginning of the 20th century the only known milestone in the Algarve (IRCP 660) was found probably in situ near a place called Bias do Sul (Olhão) and then re-used in a water noria, a find which seemed to confirm a route close to the coast (Mascarenhas, 1967: 3-11) . Fernandes Mascarenhas also mentions “traces of constructions, such as thick foundations and pieces of very thick tiles and bricks” next to the milestone.

Photos of the milestone when it was discovered, later reused in a water noria and detail of the epigraph with the letters revived indicating 10 miles (in Mascarenhas, 1967).

Mascarenhas also proposed that the 10 miles indicated in the milestone (M.P. X) were referring to the city of Faro which is in fact the distance between these points. SInce then, most researchers followed this proposal and traced a route through Bias along the (Mantas, 1990: 184, 1997; Silva, 2002, 2005 and 2007; Rodrigues, 2004; Maia, 2006). This landmark is currently on display at the Olhão Municipal Museum after many years in the Moncarapacho Parish Museum.

Despite the apparent consistency of the arguments presented, actually there is no evidence of any east-west road passing through this location, a fact that Mascarenhas gets around by supposing the road is under the current N125 (Mascarenhas, 1967: 9). If this was the case the track would have to follow north from the villa of Quinta do Marim towards Faro. However, all indications are that this route is a modern construction as it crosses several mats that at that time penetrated well inland through the streams of Ribeiro do Tronco and Ribeira de Marim. This way, from Balsa, the roads to Faro had follow a more inland route to avoid these mats, passing through Moncarapacho and Ponte Velha de Quelfes towards Faro (see itinerary).

But if the milestone of Bias was not marking this route along the coast, then it belonged to another “via”, but which one? To the south, we have the ocean, so the road could only run north, perpendicular to the route to Faro. And in fact, the column was found next to an ancient path called “Canada de Bias” that runs from Bias to the north. This route, mostly still used today as a rural path, goes in the direction of Moncarapacho. It then goes through São Brás de Alportel to reach the town of Querença, a major road-junction of the region. Here, it joins with the main route connecting Faro to the port of Alcácer do Sal (Salacia), passing in the pre-Roman settlement of Castro da Cola (Ourique), presumably the location of Arannis, a road station mentioned in the Antonine Itenerary 60 miles from Faro.

The road from Bias to Querença passing in Moncarapcho, Pereiro, Mesquita and Alportel

Very close to the place where the milestone appeared, there is a road junction next to Poço de Bias which could be the original site of its implantation, since this place is located around 3 miles from Moncarapacho. In this junction, next to rural house of Quinta do Neto, there is an animal trough and a well in direct connection with the ancient road (see photos). This assumption is also confirmed by the fact that the first mile falls on the ancient christian temple known as the Ermida of São Sebastião dos Matinhos (or do Bitoito) in Belo Romão.

From Moncarapacho, the road keeps going north reaching the Cerro do Moinho de Pereiro (m.p. VI), from where it turns northwest towards São Brás de Alportel, passing near Poço do Cavaleiro (m.p. VIII) and Desbarato, located 9 miles from Bias. This place is mentioned in the “Crónica da Conquista do Algarve ” as being the place where Dom Paio Peres Correia and his knights spent the night during their incursion to Tavira (Agostinho, 1792), most likely next to the fountain mentioned in a document of the year 1595: “…no primçipio das terras do desbarato domde esta húa fonte por marquo.” (Vinagre, 2006: 53).

It is interesting to note that the name of this place, ‘desbarato’, may according to some authors be a derivation of the Arabic word ‘bis-barat’ which could explain the origin of the enigmatic toponym ‘Bias’. Also the name ‘barat’ could be a corruption of ‘balat‘ which has the
generic meaning of ‘via’ or ‘paved road’. If so, then this toponym ‘bis-balat’ could be read as ‘the paved road to Bias‘, i.e., a direct reference to via passing in Desbarato.

The road went on to Fonte da Mesquita, reaching the tenth mile near a small hill called Cerro da Mesquita. The road is apparently mentioned in a document also of 1595 as the “caminho do Chamso a dar no Ribeiro da Mesquita […] e dahi vai a partisão por ribeiro da fonte da mesquita que ele muito antiga“; Vinagre, 2006:55).

Several small Roman rural structures are known in the area, probably related to this road station, but there is no sign of any settlement nearby. It is therefore possible this stop was related to some place of worship, presumably a sanctuary, and possibly a predecessor of the “mesquita” (mosque) stated in its toponym.

The track goes on through São Brás Alportel, passing slightly north of this town in a place called Campina, another another road station located 12 miles to Bias. From here there was a direct connection to Faro going through Estoi (also 12 miles long), but the route we are describing keeps going to northwest towards Querença, a road station on the route linking the Algarve to Alcácer do Sal. The usefulness of this connection to Bias is better understood when we analyse this route in the opposite direction. If you arrived at Querença coming from the north, you could go to Faro through Loulé or follow the road described here as “Canada de Bias”, connecting Querença to the ancient coastal area in Bias.

Roman road network of the Algarve (viasromanas.pt)

The usefulness of the connection to Bias is better understood when we analyse this route in the opposite direction. If you arrived to the Algarve through Querença, you could either head to Faro via Loulé or follow the “Canada de Bias” to the coast, crossing at Moncarapacho with the coastal road from Faro to Castro Marim, and then on to Balsa and Tavira. Now, the existence of this route from Querença to Bias could only be explained by assuming that Bias was a sea port during the Roman period. In 1841, João da Silva Lopes wrote: “At the site of Bias we have found many graves, all with a stone at the head, another at the feet, and two in the middle” (Silva Lopes, 1841: 372). Mascarenhas also mentions “the discovery of immense construction materials of Roman type, very close to the sea” (Mascarenhas, 1967: 4). Just 500 m from the milestone, facing the ancient coastline there are still remains of a quadrangular fortified tower (named «Torre de Bias do Sul 2») that may be related to this harbour, despite current dating pointing to no early than the 11th century.

As such, the milestone would mark the distance counted from Bias’s port to the road station in Cerro da Mesquita, a place that matches the 10 miles engraved in the milestone. The importance of this station derives from the fact that it is located exactly halfway along this route, as the distance from here to Querença it is also 10 miles, making a total of 20 miles, a module that is in fact repeated on the route from Castro Marim to Faro with a total of 40 miles, with Tavira as an intermediate point, given that it is 20 miles both from Faro and from the right bank of the Guadiana near Castro Marim (and not Balsa, only founded in the 1st century) . This surprising concordance in distances between stages cannot be just a coincidence, but rather to a deliberate act of structuring the network with standardised distances.

In this context, it is important to recover the old discussion about the location of the Statio Sacra, a place mentioned in the geography book of the so-called Anonymous of Ravenna, apparently located by this author between Balsa and Ossonoba (Rav. IV.43). In 1877 Estácio da Veiga proposed its location in Quinta do Marim (Veiga, 1887: 390-391) an hypothesis highly disseminated, but that was never consensual among researchers (Mantas, 1997: 315). The name suggests some kind of rural sanctuary, but only a private mausoleum was found here, most likely belonging to the near by Roman villa (Graen, 2007: 277). In turn, Leite de Vasconcelos associated Statio Sacra with the Promontorium Sacrum (present-day Cabo de São Vicente), placing it in roman finds of Martinhal beach (Vasconcelos 1905:198), actually a amphora-producing factory ; more recently it was associated with Moncarapacho (Silva, 2002: 47) while Mantas proposed the villa of Milreu (Mantas, 2008: 247); however, none of these proposals were ever confirmed. Moncarapacho would indeed be a good candidate given that it is a road station of the route from Ossonoba to Balsa, 10 miles from Tavira and to Faro.

However, it also possible that the Statio Sacra is not related to the Ossonoba-Balsa road, but to this road from Bias to Querença. Based on the data currently available, we cannot exclude its location at any of the respective stations (namely, Bias, Moncarapacho, Mesquita, Alportel and Querença), but the fact that the milestone indicates 10 miles cannot be ignored, suggesting that it marked the distance to a relevant location, i.e., the distance from the port of Bias to some road station with a more inland location.

If this were the case, then the Statio Sacra would be located in Fonte da Mesquita or its proximities, referring to an eventual rural sanctuary, but for the moment this is merely a working hypothesis, since the inverse is also possible, that is, the name ‘statio’ was also applied to name a ‘small port’, an interpretation that fits perfectly to its location in Bias do Sul. In turn, the epithet ‘Sacra‘, in this context, may have the meaning of ‘imperial’, suggesting a consecration of the place to the imperial cult (Tovar, 1976: 206). The archaeological context also points in that direction, namely an inscription consecrated to Augustus by an administrator (‘dispensator’) da vizinha cidade de Balsa (IRCP 74), as well as the milestone itself that was most likely also placed during the Julio-Claudian dynasty, that is, sometime between 27 BC and 68 AD. (Encarnação, 1984: 720). The foundation of Balsa in this period (possibly as a result of the progressive silting up of the port of Tavira, just 6 km away), may have implied a reform of the road system, of which the Statio Sacra and the milestone would echo.

But regardless of the true location of the mysterious Statio Sacra, there seems to be no doubt about the importance of this route in the overall road network during the Roman period (and before and after), allowing the solve many of the inconsistencies of the previous proposals to be solved and proposed a revised map of the ancient road network in the eastern Algarve (see map). The description of these routes can be found on www.viasromanas.pt and their tracing on the Map of Vias (from version 4.4 on).

Coordinates of some key points on this route:
Mile zero at Bias: 37.049608, -7. 776432
Chapel of St Sebastian (m.p. I): 37.060587, -7.785435,
Desbarato (m.p. IX): 37.143647, -7.842630
Fonte da Mesquita: 37. 146892,-7.854586
Cerro da Mesquita (m.p. X): 37.149943,-7.855184

Bibliography:
AGOSTINHO, Frei Joaquim de Santo (1792) – “Sobre huma chronica inédita da conquista do Algarve”, Memórias de Litteratura Portuguesa, Real Academia das Ciências, Lisboa, Tomo I, p.74-97.
ANONYMOUS OF RAVENA (c. 7 AD) – “Ravennatis Anonymi Cosmographia et Guidonis Geographica”. Berlin: M. Pinder / G. Parthey (1860).
ENCARNAÇÃO, José d’ (1984) – “Inscrições Romanas do Conventus Pacensis: subsídios para o estudo da romanização (IRCP)”. Coimbra: Universidade.
GRAEN (2007), Dennis – “O sítio da Quinta de Marim (Olhão) na época tardo-romana e o problema da localização da Statio Sacra”. In RPA 10, 1, 275-288.
MAIA, M. (2006) – “De Baesuris a Pax Ivlia por Aranis”. São Brás de Alportel: Actas das I Jornadas «As Vias do Algarve», 46-53.
MANTAS, Vasco G. (1990) – “As cidades marítimas da Lusitânia”. Paris: CNRS (Coll. Maison des Pays Ibériques; 42), p. 149-205.
MANTAS, Vasco G. (1997) – “As civitates: Esboço da geografia política e económica do Algarve romano”, in Noventa séculos entre aserra e o mar, Lisboa, 283-309.
MANTAS, Vasco G. (2008) – “A rede viária romana em Portugal: estado da questao e perspectivas futuras”. Anas, 21-22, 2008-2009, 245-272.
MASCARENHAS, J. Fernandes (1967) – “De Ossónoba a Balsa”. Col. Por Terras do Algarve – Tavira: Ed. Autor, 7-25.
RESENDE, André de (1593) – “As Antiguidades da Lusitânia”. Lisboa: Edição «Fundação Calouste Gulbenkian», 1996. Introdução, tradução e comentário de R. M. Rosado Fernandes.
RODRIGUES, Sandra (2004) – “As Vias Romanas do Algarve”. Faro: CUP-UAlg/CCRA.
SILVA, L. Fraga da (2002) – “A região de São Brás de Alportel na Antiguidade”. Tavira: Campo Arqueológico de Tavira.
SILVA LOPES, J. B. da (1841) – “Corografia ou Memória económica, estadística e topográfica do Reino do Algarve”. Lisboa: Academia Real das Ciências.
TOVAR, Antonio (1976) – “Iberische Landeskunde – Die Völker und die Städte des antiken Hispanien”, Part II, Vol. 2. Lusitanie. Baden-Baden.
VASCONCELOS, J. Leite de (1905) – “Religiões da Lusitânia”. Vol.pro 2. Lisboa: INCM (reed. de 1989).
VEIGA, Estácio da (1866) – “Povos Balsenses: sua situação geographico-physica indicada por dous monumentos romanos recentemente descobertos na Quinta da Torre d’Ares…”. Lisboa: Livraria Catholica.
VEIGA, Estácio da (1887) – “Antiguidades monumentais do Algarve Tempos prehistóricos”. Lisboa: Imprensa Nacional, Vol. 2.
VIANA, Abel (1952) – “Ossónoba. O problema da sua localização”, Revista de Guimarães 42, 250-285.
VINAGRE, Augusto et al. (2008) – “Toponímia de S. Brás de Alportel”. Trabalho com alunos da Escola EB2,3 de S. Brás de Alportel in “dos Algarves”, 17, 52-58.
WESSELING, Petrus (1735) – “Vetera Romanorum Itineraria, sive Antonini Augusti Itinerarium, Itinerarium Hierosolymitanum, et Hieroclis Grammatici Synecdemus”. Amsterdam.

Um post sobre as vias antigas do Algarve

Apesar de ser uma região fortemente romanizada, a rede viária do Algarve na antiguidade continua com várias questões em aberto. As diferentes propostas que têm sido aventadas, muitas vezes incompatíveis entre si, não permitem traçar um quadro geral da rede com segurança. O primeiro investigador que abordou o problema de forma científica foi Estácio da Veiga nos finais do século XIX, iniciando um conjunto de estudos com base na evidência arqueológica que ia compilando e publicando durante as suas prospecções no terreno. Ao propor em definitivo a localização de Balsa na área da actual Quinta de Torre de Aires (em vez de Tavira) e de Baesuris no povoado sidérico de Castro Marim (em vez de Ayamonte), Veiga veio esclarecer muitas das dúvidas que permaneciam sobre a localização destes aglomerados desde as propostas iniciais de André de Resende no século XVI (Veiga, 1886). Por sua vez, a localização Ossonoba em Faro só ficou definitivamente estabelecida em meados do século XX por Abel Viana, desfazendo outro equívoco de Resende que associara Ossonoba aos vestígios monumentais da villa de Milreu em Estoi (Resende, 1593: fl.189; Viana, 1952: 250-285).

Segundo o Itinerário de Antonino (IA, 425.6), estes três povoados portuários do litoral Algarvio estavam interligados por uma via, seguindo presumivelmente paralela à linha de costa (Veiga, 1886). No início do século XX foi identificado próximo de Bias do Sul (Olhão) o único miliário até hoje conhecido do Algarve (IRCP 660), achado que parecia confirmar um trajecto próximo do litoral.

Fotos  do miliário tombado aquando da sua descoberta, a sua reutilização numa nora de Bias, e detalhe da epígrafe com as letras realçadas (in Mascarenhas, 1967). 


O marco foi desenterrado a uma profundidade de 50 cm já tombado junto da «Canada de Bias», aparentemente in situ, sendo posteriormente reutilizado numa nora ali próximo. Fernandes Mascarenhas refere a existência junto ao marco de “vestígios de construções, tais como caboucos espessos e bocados de telha e tijolo muitíssimo grossos” (Mascarenhas, 1967: 3-11). Mascarenhas também propôs que as 10 milhas gravadas no marco indicavam a distância a Faro que ronda de facto esse valor. Deste então, generalidade dos investigadores fazem passar a via litoral por Bias (Mantas, 1990: 184, 1997; Silva, 2002, 2005 e 2007; Rodrigues, 2004; Maia, 2006). Actualmente este marco encontra-se em exposição no Museu de Olhão depois de ter passado pelo Museu Paroquial de Moncarapacho.

Apesar da aparente consistência dos dados disponíveis, na verdade não há qualquer evidência no terreno da passagem por Bias de uma via na direcção este-oeste, facto que Mascarenhas contorna fazendo passar a via pela actual N125 (Mascarenhas, 1967: 9). A ser assim, então a via teria de seguir a norte da villa da Quinta do Marim em direcção a Faro. No entanto, tudo indica que este percurso é moderno, dado que cruza diversos esteiros que no período romano penetravam bem para interior da costa, nomeadamente através do Ribeiro do Tronco e da Ribeira de Marim. Pelo contrário, tudo indica que o percurso antigo seria por Moncarapacho, continuando depois em direcção à Ponte Velha de Quelfes e daqui a Faro (ver itinerário).

Mas a ser assim, então o miliário de Bias não poderia assinalar essa via ao longo do litoral, mas uma outra via, mas qual? Para sul, temos o oceano, logo a via só poderia correr para norte, perpendicular à estrada para Faro. E de facto o miliário apareceu tombado junto de um caminho antigo designado por «Canada de Bias» que parte para norte e que ainda hoje é utilizado como caminho rural, seguindo na direcção de Moncarapacho e daqui por São Brás de Alportel até Querença, entroncando aqui no itinerário principal de Faro a Alcácer do Sal (Salacia). Por sua vez, esta via cruzava a serrania Algarvia rumo ao povoado pré-romano do Castro da Cola (Ourique), presumível localização de Arannis, estação viária a 60 milhas de Faro de acordo com o Itinerário XXI de Antonino.

A estrada de Bias a Querença passando por Moncarapcho, Pereiro, Mesquita e São Brás de Alportel

Muito próximo do local onde apareceu o miliário, existe uma encruzilhada de estradas junto da casa da Quinta do Neto que poderia ser o local original da sua implantação, dado que este local se encontra a cerca de 3 milhas de Moncarapacho. Nesta encruzilhada existe um bebedouro para animais e um poço em relação directa com a estrada, evidenciando o carácter viário deste local (fotos). Este acerto torna-se evidente logo na primeira milha que era vencida junto da Ermida de São Sebastião dos Matinhos (ou do Bitoito) em Belo Romão.

A partir de Moncarapacho, a via prosseguia o seu percurso para norte até próximo do Cerro do Moinho de Pereiro (m.p. VI), junto do qual inflectia para noroeste rumo a São Brás de Alportel, passando junto do Poço do Cavaleiro (m.p. VIII) e do casal romano de Desbarato, situado a 9 milhas de Bias. Este lugar é mencionado na “Crónica da Conquista do Algarve“, como sendo o local onde Dom Paio Peres Correia e os seus cavaleiros pernoitaram, aquando da sua incursão a Tavira (Agostinho, 1792), possivelmente junto da fonte referida num auto de 1595 “…no primçipio das terras do desbarato domde esta húa fonte por marquo.” (Vinagre, 2006: 53).

É interessante notar que o nome deste lugar, ‘desbarato’, pode ser, segundo alguns autores, uma derivação da palavra árabe ‘bis-barat’ (Silva, 2002: 76) com a qual podemos relacionar o enigmático topónimo de ‘Bias’. Por sua vez, o termo ‘barat‘ poderia ser ‘balat‘ no nome original que tem o significado genérico de ‘via’ ou ‘caminho calcetado’. Se assim for, então o topónimo ‘bis-balat’ poderia ser lido como ‘calçada de Bias’, ou seja, seria uma referência directa à via na sua passagem por Desbarato, mas não dispomos de outros dados que o confirmem.

De Desbarato a via seguia até à décima milha que era vencida no sítio do Cerro da Mesquita, sendo a estrada aparentemente referida num auto de 1595 como “caminho do Chamso a dar no Ribeiro da Mesquita […] e dahi vai a partisão pelo ribeiro da fonte da mesquita que he muito antiga” (Vinagre, 2006:55). Na área são conhecidos diversos casais romanos relacionáveis com esta paragem, mas não há sinais de qualquer povoado nas proximidades. Deste modo, é possível que esta estação esteja relacionada com algum lugar de culto, presumível antecessor da mesquita aparentemente denunciada pelo respectivo topónimo.

A via continuava por São Brás Alportel, passando ligeiramente a norte desta povoação pelo lugar de Campina, onde deveria existir nova estação viária a 12 milhas de Bias. Daqui partia um ramal de ligação a Faro passando por Estoi (também com 12 milhas), mas a via que estamos a descrever continuava mantinha a sua directriz noroeste, seguindo em direcção a Querença pelo caminho de Almarjão. Em Querença, entroncava na principal via que saía do Algarve para norte rumo a Alcácer do Sal, passando por Arannis, estação rodoviária mencionada no Itinerário 21 de Antonino, presumivelmente localizada no povoado pré-romano de Castro da Cola (Ourique).

A utilidade da ligação a Bias é mais bem compreendida quando analisamos o seu percurso no sentido inverso. Para quem chegava ao Algarve por Querença poderia rumar a Faro por Loulé ou seguir pela «Canada de Bias» até ao litoral, cruzando em Moncarapacho com a via litoral de Faro a Castro Marim, seguindo por Balsa e Tavira. A existência desta via de Querença rumo a Bias só poderia ser explicada assumindo a existência aí de um porto durante o período romano. Em 1841, João da Silva Lopes escrevia: “No sitio de Bias tem-se encontrado muitas sepulturas, todas com uma pedra na cabeceira, outra aos pés, e duas no meio” (Silva Lopes, 1841: 372). Também Fernando de Mascarenhas refere “o achado de imensos materiais de construção de tipo romano, muito próximo do mar” (Mascarenhas, 1967: 4). A cerca de 500 m da encruzilhada de Bias, existem ainda vestígios de uma torre quadrangular fortificada (designada por «Torre de Bias do Sul 2») que poderá estar relacionada com esta função portuária, apesar de a sua cronologia não recuar aparentemente para além do século XI.

A rede viária romana do Algarve entre Faro e Castro Marim (viasromanas.pt)

A ser assim, então o miliário assinalava a distância do porto de Bias à estação viária do Cerro da Mesquita, local que concorda com as 10 milhas indicadas. A importância desta estação decorre do facto se localizar exactamente a meio percurso desta via, dado que daqui a Querença são também 10 milhas, perfazendo um total de 20 milhas, módulo que aliás se repete na via de Castro Marim a Faro com um total 40 milhas, tendo Tavira como ponto intermédio, dado que se encontra a 20 milhas tanto de Faro como da margem direita do Guadiana junto a Castro Marim (e não Balsa, fundada apenas no século I). Esta surpreendente concordância nas distâncias entre etapas não pode ser uma mera coincidência, mas antes um acto deliberado de estruturar a rede com distâncias normalizadas.

Neste contexto, importa recuperar a velha discussão sobre a localização da Statio Sacra mencionada na obra geográfica do Anónimo de Ravena, aparentemente localizada por este autor entre Balsa e Ossonoba (Rav. IV.43). Em 1877 Estácio da Veiga propôs a sua localização na Quinta do Marim, hipótese muito disseminada, mas que sempre levantou muitas dúvidas entre investigadores (Veiga, 1887: 390-391; Mantas, 1997: 315). O nome sugere a existência de um local de culto ou santuário rural, mas em Marim apenas foi identificado um mausoléu privado relacionado com a villa romana que ali existia (Graen, 2007: 277). Por sua vez, Leite de Vasconcelos associou-a ao Promontorium Sacrum (actual Cabo de São Vicente), supondo que corresponderia aos vestígios do centro de produção de ânforas da Praia do Martinhal (Vasconcelos 1905:198); mais recentemente foi associada a Moncarapacho (Silva, 2002: 47) e à villa de Milreu (Mantas, 2008: 247), mas nenhuma destas proposta foi até hoje confirmada. Moncarapacho seria de facto um bom candidato dado que se trata de uma estação viária da via Ossonoba-Balsa, no entanto é difícil de explicar a razão do “Anónimo” mencionar uma estação tão próximo Balsa (apenas 6 milhas), sendo que esta estação não é mencionada no Itinerário de Antonino.

Perante estas incoerências nas fontes, é possível que a Statio Sacra não estivesse relacionada com a estrada Ossonoba-Balsa, mas com esta via de Bias a Querença. Com base nos dados actualmente disponíveis, não podemos excluir a sua localização em qualquer das respectivas estações (nomeadamente em Bias, Moncarapacho, Mesquita, Alportel ou Querença), mas o facto do miliário indicar 10 milhas não pode ser ignorado, sugerindo que existia algum lugar relevante a essa distânciaa de Bias.

A ser assim, então a Statio Sacra estaria a 10 milhas de BIas, ou seja, nas proximidades da Fonte da Mesquita, remetendo eventualmente para um santuário rural, mas para já não passa de uma mera hipótese de trabalho, até porque o inverso também é possível, ou seja, a palavra “statio” também designava um ‘pequeno porto’, viabilizando a sua localização em Bias do Sul. Por sua vez, o epíteto “sacra” poderá, neste contexto, ter o sentido de “imperial” (Tovar, 1976: 206), sugerindo uma consagração do lugar ao culto imperial. O contexto arqueológico aponta também nesse sentido, nomeadamente uma inscrição consagrada a Augusto por um administrador (‘dispensator’) da vizinha cidade de Balsa (IRCP 74), assim como o próprio marco de Bias que terá sido colocado durante a dinastia júlio-cláudia, ou seja, em algum momento entre 27 a.C. e 68 d.C. (Encarnação, 1984: 720). A fundação de Balsa neste período (possivelmente em resultado do progressivo assoreamento do porto Tavira, do qual dista apenas 6 km), poderá ter implicado também a reforma do sistema viário, das quais a statio sacra e o miliário fariam eco.

Porém, seja qual for a verdadeira localização da misteriosa Statio Sacra, a importância desta estrada de Bias a Querença no contexto viário romano (e anterior) parece inquestionável, permitindo solucionar muitas das incongruências observadas nas anteriores propostas que em geral fazem seguir a estrada Ossonoba-Balsa por Torre de Aires, Bias e Marim, enquanto consideram que a estrada proveniente de Querença seguia pelo Cerro da Mesquita directo a Tavira, o que não se verifica no terreno. Naturalmente que estas propostas têm fortes implicações no quadro geral da rede viária do Algarve, com os itinerários revistos disponíveis em www.viasromanas.pt e os respectivos traçados no Mapa de Vias disponível em www.viasromanas.pt/vr_map.html (a partir da versão 4.4).

Coordenadas dos pontos-chave desta rota:
Milha zero em Bias: 37.049608, -7.776432
Ermida de São Sebastião (m.p. I): 37.060587, -7.785435,
Desbarato (m.p. IX): 37.143647, -7.842630
Fonte da Mesquita: 37.146892,-7.854586
Cerro da Mesquita (m.p. X): 37.149943,-7.855184

Bibliografia:
AGOSTINHO, Frei Joaquim de Santo (1792) – “Sobre huma chronica inédita da conquista do Algarve”, Memórias de Litteratura Portuguesa, Real Academia das Ciências, Lisboa, Tomo I, p.74-97.
ANÓNIMO DE RAVENA (7 d.C.) – “Ravennatis Anonymi Cosmographia et Guidonis Geographica”. Berlin: M. Pinder / G. Parthey (1860).
ENCARNAÇÃO, José d’ (1984) – “Inscrições Romanas do Conventus Pacensis: subsídios para o estudo da romanização (IRCP)”. Coimbra: Universidade.
GRAEN (2007), Dennis – “O sítio da Quinta de Marim (Olhão) na época tardo-romana e o problema da localização da Statio Sacra”. In RPA 10, 1, 275-288.
MAIA, M. (2006) – “De Baesuris a Pax Ivlia por Aranis”. São Brás de Alportel: Actas das I Jornadas «As Vias do Algarve», 46-53.
MANTAS, Vasco G. (1990) – “As cidades marítimas da Lusitânia”. Paris: CNRS (Coll. Maison des Pays Ibériques; 42), p. 149-205.
MANTAS, Vasco G. (1997) – “As civitates: Esboço da geografia política e económica do Algarve romano”, in Noventa séculos entre aserra e o mar, Lisboa, 283-309.
MANTAS, Vasco G. (2008) – “A rede viária romana em Portugal: estado da questao e perspectivas futuras”. Anas, 21-22, 2008-2009, 245-272.
MASCARENHAS, J. Fernandes (1967) – “De Ossónoba a Balsa”. Col. Por Terras do Algarve – Tavira: Ed. Autor, 7-25.
RODRIGUES, Sandra (2004) – “As Vias Romanas do Algarve”. Faro: CUP-UAlg/CCRA.
RESENDE, André de (1593) – “As Antiguidades da Lusitânia”. Lisboa: Edição «Fundação Calouste Gulbenkian», 1996. Introdução, tradução e comentário de R. M. Rosado Fernandes.
SILVA, L. Fraga da (2002) – “A região de São Brás de Alportel na Antiguidade”. Tavira: Campo Arqueológico de Tavira.
SILVA LOPES, J. B. da (1841) – “Corografia ou Memória económica, estadística e topográfica do Reino do Algarve”. Lisboa: Academia Real das Ciências.
TOVAR, Antonio (1976) – “Iberische Landeskunde – Die Völker und die Städte des antiken Hispanien”, Part II, Vol. 2. Lusitanie. Baden-Baden.
VASCONCELOS, J. Leite de (1905) – “Religiões da Lusitânia”. Vol.pro 2. Lisboa: INCM (reed. de 1989).
VEIGA, Estácio da (1866) – “Povos Balsenses: sua situação geographico-physica indicada por dous monumentos romanos recentemente descobertos na Quinta da Torre d’Ares…”. Lisboa: Livraria Catholica.
VEIGA, Estácio da (1887) – “Antiguidades monumentais do Algarve Tempos prehistóricos”. Lisboa: Imprensa Nacional, Vol. 2.
VIANA, Abel (1952) – “Ossónoba. O problema da sua localização”, Revista de Guimarães 42, 250-285.
VINAGRE, Augusto et al. (2008) – “Toponímia de S. Brás de Alportel”. Trabalho com alunos da Escola EB2,3 de S. Brás de Alportel in “dos Algarves”, 17, 52-58.
WESSELING, Petrus (1735) – “Vetera Romanorum Itineraria, sive Antonini Augusti Itinerarium, Itinerarium Hierosolymitanum, et Hieroclis Grammatici Synecdemus”. Amsterdam.

The ancient road of Lomba do Mouro

With regards to the current excavation at the Roman military camp of Lomba do Mouro (Castro Laboreiro), whose preliminary results point to the conquest period of the peninsular northwest (video), I tried to identify the possible route of the track that crossed the Roman camp, situated on the heights of the Laboreiro mountain range, present-day Galicia/Portugal border (apparently absent from the scientific literature). In fact, if we extend the track southwards, following the mountain’s festo line, we will find the new track, crossing the Lima river near the village of Torno (Lóbios). This route would be a northern derivation of the via nova between Bracara and Asturica, crossing the Lima at a meander of the river called Retorta, 45 miles away from Braga. It then ascended the slope up to the Ermida de San Benito (perhaps through Lama and Ferreiros), continuing afterwards through the Serra de Laboreiro up to the Roman camp, making up 13 miles from the Lima, the usual distance between road stations.

Fig. 1 – The Lomba do Mouro camp on the Luso-Spanish border (yellow line), walled enclosure and possible track layout (elaborated on Google Earth); distances to the Minho River (São Gregório, to the north) and the Lima River (Retorta, to the south). The light areas inside the enclosure correspond to previously excavated megalithic funerary monuments.

The compound still bears the remains of its 2.2 m thick wall, enclosing an area of over 20 hectares (Costa-García, Fonte and Gago, 2019: 33). The existence of this camp implies that the route would have continued to Galicia, but its route northwards from the camp does not seem feasible, presenting a very rugged terrain, where passage is very difficult. Thus, it is more likely that the track would have made an inflection towards Castro Laboreiro (perhaps through Alto da Picota, Queimadelo, Falagueiras, Coriscadas e Porto de Carros), and from there going north again, through Porto de Asnos and through the valley of the Trancoso River to São Gregório, where it entered Galicia. Its route should correspond to the path which passes through the road names Vido, Portelinha and Porteiro or Porto de Cavaleiros (former “Porto de Asnos”), continuing through Alcobaça, A-da-Velha, Campo do Souto, Sobreira and Cristoval as far as São Gregório, going down from here to cross the Trancoso river at the so-called Ponte Velha or Ponte Barxas, an ancient entrance gate into Galician territory. The route could then follow alongside the toponym Vendas towards the Ermida de San Xusto (Trado), 18 miles from Lomba do Mouro, possibly heading towards Ourense, but its final destination is still uncertain.

Fig. 2 – The Roman camp of Lomba do Mouro (in García, Fonte and Gago, 2019: 33)

The strategic importance of this penetration route for the Roman armies of the initial phase of the conquest seems to be attested by the great size of the military enclosure, almost totally surrounded by a solid wall, which could only be justified for a route of the greatest military importance. Its location, halfway between the Lima and Minho rivers (13 miles to the Lima and 14 to São Gregório), allowed it to exert total control over this passage.

Although some authors felt that there should be a northward derivation of the new route, its layout continued to raise many doubts. The identification and characterisation of this important military settlement thus provides a strong argument for the identification of this road axis and its articulation with the major routes in the region.

Fig. 3 – Hypothetical track layout (green line) deriving from the ‘new track’ to the north (yellow line), passing through Castrum da Lomba do Mouro, then descending towards Castro Laboreiro to take the old entry route to Galicia via Porto de Asnos and Ponte Velha de São Gregório (elaborated on Google Earth, 2021)

There doesn’t seem to be any doubt about the antiquity of this path, given that the Roman settlement sits on a vast field covered with megalithic funerary monuments that testify to its use since very early times. Despite the abandonment of the camp after the conquest of this territory, the track would have remained in use until the high-medieval period, during which the dividing line between Portugal and the current Galician territory was formed. The fact that the route crossed both sides of this division may have contributed to its decline, as it was now cut by the border line.

The “Portuguese” part, connecting Castro Laboreiro to São Gregório, through the referred
“Porto de Asnos” remains in use as the main entrance to Galicia, as referred to in various medieval documents, and is considered a strategic passage for the defence of the Entre Lima and Minho territory. Following a tax dispute with the neighbouring Castle of Melgaço, this stretch of the road was closed to traffic in 1361, forcing all travellers to go to and from Galicia via Melgaço, which also contributed to its oblivion:

“To avoid paying this toll, merchants who carried their goods from Galicia, and vice versa, opted for the passage of the Porto dos Asnos, joint place of the parishes of Lamas de Mouro and Castro Laboreiro. To avoid this tax evasion, by letter written in Elvas, on 28th May 1361, D. Pedro I forbade this path, forcing the merchants to pass through Melgaço”. (in Domingues, 2003: 11)

The growing disuse of this route may have contributed to its relative oblivion in the context of Roman roads, but identification of what seems to be “the largest and oldest” Roman military camp between the 2nd and 1st centuries BC. (Costa-García, Fonte and Gago, 2019: 33), located precisely halfway between the rivers Lima and Minho, constitutes a strong argument to validate the existence from this route that was surely one of the lines of penetration lines of the Roman army during the period of conquest in the northwest of the Iberian Peninsula.

Bibliography:

COSTA-GARCÍA, J.M.; FONTE, J.; GAGO, M.; (2019) – “The reassessment of the Roman military presence in Galicia and Northern Portugal through digital tools: archaeological diversity and historical problems”, Mediterranean Archaeology and Archaeometry 19, 3, (2019), p. 17-49 https://zenodo.org/record/3457524

DOMINGUES, José (2003) – “O Foral de D. Afonso Henriques a Castro Laboreiro. “Ádito” para o debate”. Porto, 2003, [placed online 6 May 2013].
http://www.academia.edu/3470740

romanarmy.eu – Collective research on the Roman military presence in the northwest Iberian Peninsula https://www.youtube.com/watch?v=fXGZVPHf3Oc&ab_channel=romanarmy.eu

A via antiga da Lomba do Mouro

A propósito da escavação em curso no acampamento militar romano da Lomba do Mouro (Castro Laboreiro), cujos resultados preliminares apontam para o período inicial da conquista do noroeste peninsular (video), tentei identificar o possível traçado da via que cruzava o acampamento romano, situado nas alturas da Serra de Laboreiro, actual fronteira Galiza/Portugal (aparentemente ausente da literatura científica). De facto, se perlongarmos a via para sul percorrendo a linha de festo da serra vamos de encontro à via nova, cruzando o rio Lima próximo da povoação de Torno (Lóbios). Este trajecto seria assim uma derivação para norte da via nova entre Bracara e Asturica, cruzando o Lima num meandro do rio designado por Retorta que dista cerca de 45 milhas de Braga. Ascendia depois a encosta até à Ermida de San Benito (talvez por Lama e Ferreiros), continuando depois por alturas da Serra de Laboreiro até ao acampamento romano, perfazendo 13 milhas desde o Lima, distância habitual entre estações viárias.

Fig. 1 – O acampamento da Lomba do Mouro na fronteira luso-espanhola (linha amarela), recinto amuralhado e possível traçado da via (elaborado sobre Google Earth); distâncias ao Rio Minho (São Gregório, a norte) e ao Rio Lima (Retorta, a sul). As áreas claras no interior do recinto correspondem a monumentos funerários megalíticos anteriormente escavados.

O campo ostenta ainda os vestígios da sua muralha com 2,2 m de espessura, cercando uma área com mais de 20 hectares (Costa-García, Fonte e Gago, 2019: 33). A existência deste acampamento implica que a via teria continuação para a Galiza, mas o seu percurso para norte a partir do acampamento não parece ser viável, apresentando um terreno muito acidentado, onde a passagem se apresenta muito dificultada. Deste modo, é mais provável que a via fizesse uma inflexão rumo a Castro Laboreiro (por Alto da Picota, Queimadelo, Falagueiras, Coriscadas e Porto de Carros), para daqui retomar a direcção norte que trazia do rio Lima, seguindo por Porteiro (antigo «Porto de Asnos») e pelo vale do rio Trancoso até São Gregório, onde entrava na Galiza. O seu traçado deverá corresponder ao caminho que passa nos topónimos viários Vido, Portelinha e Porteiro ou Porto de Cavaleiros (antigo «Porto de Asnos»), continuando por Alcobaça, A-da-Velha, Campo do Souto, Sobreira e Cristoval até São Gregório, descendo daqui para cruzar o rio Trancoso na chamada Ponte Velha ou Ponte Barxas, antiga porta de entrada no território Galego. Na continuação, a via poderia seguir junto do topónimo Vendas em direcção à Ermida de San Xusto (Trado), local a cerca de 18 milhas da Lomba do Mouro, possivelmente rumo a Ourense, mas o seu destino final é ainda incerto.

Fig. 2 – O acampamento romano da Lomba do Mouro (in García, Fonte e Gago, 2019: 33)

A importância estratégica desta via de penetração dos exércitos romanos da fase inicial da conquista parece atestada pela grande dimensão do recinto militar, cercado quase na totalidade por uma sólida muralha que só teria justificação para uma via da maior importância militar. A sua localização, a meio caminho entre os rios Lima e Minho (cerca de 13 milhas ao Lima e cerca de 14 a São Gregório), permitia-lhe exercer total controlo desta passagem.

Embora fosse pressentido por alguns autores que deveria existir uma derivação da via nova para norte, o seu traçado continuava a levantar muitas dúvidas. A identificação e caracterização deste importante assentamento militar vem assim trazer um forte argumento para a identificação deste eixo viário e a sua articulação com os grandes itinerários da região.

Fig. 3 – Traçado hipotético da via (linha verde) derivando da ‘via nova’ para norte (linha amarela), passando na Castrum da Lomba do Mouro, descendo depois rumo a Castro Laboreiro para tomar o antigo caminho de entrada na Galiza por Porto de Asnos e Ponte Velha de São Gregório (elaborado sobre Google Earth, 2021)

Não parece haver qualquer dúvida sobre a antiguidade deste caminho, dado que o acampamento romano assenta sobre um vasto campo coberto de monumentos funerários megalíticos que testemunham a sua utilização desde tempos bem recuados. Apesar do abandono do recinto após a conquista deste território, a via terá permanecido em utilização até ao período alto-medieval, durante no qual se foi formando a linha divisória entre Portugal e o actual território Galego. O facto de a via percorrer ambos os lados desta divisória poderá ter contribuído para o seu declínio dado que estava agora cortada pela linha fronteiriça.

A parte “portuguesa”, ligando Castro Laboreiro a São Gregório, pelo referido
«Porto de Asnos» continua em utilização como principal porta de entrada na Galiza, tal como é referido em vários documentos medievais, sendo considerada uma passagem estratégica para a defesa do território de Entre Lima e Minho. Na sequência de uma disputa tributária com o vizinho Castelo de Melgaço, este troço da via acaba sendo vedado ao trânsito em 1361, obrigando que todos os viandantes de e para a Galiza seguissem por Melgaço, o que também terá contribuído para o seu esquecimento:

“Para evitar o pagamento dessa portagem, os mercadores que acarretavam os seus bens de Galiza, e vice-versa, optavam pela passagem do Porto dos Asnos, lugar meeiro das freguesias de Lamas de Mouro e Castro Laboreiro. Para evitar essa evasão fiscal, por carta passada em Elvas, aos 28 de Maio de 1361, D. Pedro I interdita esse caminho, obrigando os mercadores a passar por Melgaço.” (Domingues, 2003: 11)

A crescente inutilização deste eixo viário poderá ter contribuído assim para o seu relativo esquecimento no contexto da viação romana, mas identificação do que parece ser “o maior e mais antigo” acampamento militar romano entre os séculos II e I a.C. (Costa-García, Fonte e Gago, 2019: 33), localizado precisamente a meio caminho entre os rios Lima e Minho, constitui um argumento de peso para validar a existência desta via que terá sido como tudo indica uma das principais linhas de penetração das hostes romanas durante o período da conquista do noroeste peninsular.

Bibliografia:

COSTA-GARCÍA, J.M.; FONTE, J.; GAGO, M.; (2019) – “The reassessment of the Roman military presence in Galicia and Northern Portugal through digital tools: archaeological diversity and historical problems”, Mediterranean Archaeology and Archaeometry 19, 3, (2019), p. 17-49 (https://zenodo.org/record/3457524)

COSTA-GARCÍA, J.M.; FONTE, J.; GAGO, M.; (2019) – “A reavaliação da presença militar romana na Galiza e no Norte de Portugal através de ferramentas digitais: diversidade arqueológica e problemas históricos”. Mediterranean Archaeology and Archaeometry 20 (2019)
(https://minerva.usc.es/xmlui/bitstream/handle/10347/19902/maa_resumo_pt.pdf)

DOMINGUES, José (2003) – “O Foral de D. Afonso Henriques a Castro Laboreiro. «Ádito» para o debate”. Porto, 2003, [colocado em linha a 6 de Maio de 2013]
http://www.academia.edu/3470740

romanarmy.eu – Coletivo de investigação sobre a presença militar romana no noroeste da Península Ibérica https://www.youtube.com/channel/UCpPG7vsTY5lpghKHcxXoRFg

Roman bridge in Torre de Dona Chama

An initiative of the “Dona Flâmula”, an association for the protection of the heritage of Torre de Dona Chama, in collaboration with the Freguesia of Torre de Dona Chama and the Municipality of Mirandela, the Roman bridge over the Tuela River has finally now an informative plaque (since June 2020) describing the importance of the almost forgotten National Monument. Here are some photos kindly sent by António Reimão.

This bridge also known as “Ponte da Pedra” is one the best preserved Roman bridges in the Portuguese territory and it still use today by the national road EN 206 (!).

Ficheiro:Ponte Torre Dona Chama Vista jusante margem direita.jpg
View o the arches
The holes to grab and place stones using a forfex.

Colóquio Viário do Marão

Povoamento e vias de comunicação ao longo da tempo

No passado dia 17 de Outubro 2020 realizou-se um colóquio sobre a viação romana na Serra do Marão que decorreu no Auditório da Casa do Povo da Campeã (Vila Real). O evento, organizado pela Junta de Freguesia da Campeã e o Instituto Politécnico de Bragança, contou com a participação de sete investigadores que apresentaram diversas perspectivas sobre a antiga rede viária que percorria esta região. Ver programa do evento aqui.  

O evento está disponível online através da plataforma YouTube no seguinte endereço – https://www.youtube.com/watch?v=aVntayn6wpU&t=9209s

Calçada do Arco
Arco Memorial (Medieval) junto da calçada
Visita à Via romana do Arco

Mais fotos do evento aqui

Calçada do Arco em Campeã

Este troço lajeado que cruza a aldeia da Campeã em plena Serra do Marão deveria integrar um grande itinerário que ligava Bracara ao Rio Douro. Partindo de Braga, a via seguia inicialmente por São Martinho de Sande, onde apareceu um miliário, cruzava depois o rio Ave na Ponte Romana de Campelos (a sudoeste de Guimarães) e mais adiante cruzava o rio Vizela na Ponte Romana do Arco.

Daqui prosseguia por Pombeiro de Ribavizela e Margaride até ao Alto da Lixa, nó viário de onde derivava uma outra via rumo Tongóbriga e à travessia do Rio Douro em Várzea do Douro. Por sua vez este itinerário seguia para sudoeste rumo à travessia da Serra do Marão. A travessia do rio Tâmega não seria em Amarante como se tem afirmado, mas um pouco a montante da ponte medieval, junto da povoação de Gatão e do povoado proto-histórico do Ladário. Esta povoação seria designada na época romana por «Atucauca», atendendo à ara votiva dedicada a Júpiter colocada pelos «vicani Atucausensis» encontrada nas proximidades (na Quinta dos Pascoais, a actual casa-museu da família de Teixeira de Pascoais).

Cruzado o rio Tâmega, a via iniciava a difícil ascensão da Serra do Marão seguindo por Vila Chã do Marão, «Estalagem Velha», São Bento e Covelo do Monte até ao Alto de Espinho (e não pela Calçada do Marancinho como se ter afirmado), descendo depois pelos topónimos «Fonte do Ladrão» e «Corredoura» à aldeia da Campeã. Nesta povoação, no lugar das «Vendas», junto da Capela de São Roque, poderá ter existido uma mutatio de apoio à estrada. Logo depois surgem os primeiros metros lajeados da antiga estrada designada localmente por «Caminho Romano” ou «Calçada do Arco».

Troço lajeado, marmoiral medieval (?), esteiros e cruzeiro à margem da Calçada do Arco em Campeã (Fotos de Carlos Balsa).

Sem qualquer tipo de protecção, este troço continua em perigo de ser destruído; por essa razão, a junta de freguesia da Campeã iniciou o processo de pedido de classificação da «Calçada do Arco« com. Mais informação em “Arquivo de Memórias” no seguinte endereço: https://www.facebook.com/ArquivodeMemorias2001/

A parte conservada da calçada com cerca de 200 m continua para nascente, mas não é claro qual a direcção que tomava a partir daí. A continuação para Vila Real será muito posterior dado que esta cidade ainda não tinha sido fundada. Assim é mais provável que daqui a via rumasse para sul rumo à travessia do Rio Douro junto do Peso da Régua, continuando na margem sul por Valdigem e Moimenta da Beira, presumivelmente rumo a Mérida, formando assim um grande itinerário de carácter transregional. Uma outra via que partia do Vale da Campeã (derivando da anterior no sítio da «Estalagem Nova») e seguia pelas aldeias de Cotorinho, Soutelo, Paradela da Serra, Alto do Viso e Fontes, seguindo depois para a travessia do Rio Douro na «Barca de Moledo» e daqui ascendia a Lamego.
vide itinerário aqui – https://viasromanas.pt/#braga_regua

(agradeço a colaboração de Carlos Balsa neste post)

Notas sobre a via Bracara – Cale

O percurso da via romana que ligava Braga ao Porto está relativamente bem definido quer pelos muitos miliários que foram descobertos ao longo do seu trajecto como pela concordância geral com as 35 milhas indicadas no chamado “Itinerário de Antonino” e confirmadas pelo miliário encontrado em Braga indicando precisamente essa distância a Cale. No entanto, há vários troços que continuam duvidosos o que afecta o apuramento da marcação miliária e consequentemente também da distância total percorrida; a recente descoberta de um miliário no lugar da Barca (Maia) indicando 27 milhas a Braga veio (re)confirmar o percurso pela rota da actual EN14 (Ribeiro, 2016). Por outro lado, o lugar da Barca está a cerca de 8 milhas do Porto, perfazendo as 35 milhas necessárias para atingir Cale; mais difícil é explicar a distância a Braga pois os percursos actualmente propostos excedem esse valor, sugerindo que o trajecto seria mais curto em alguns troços. A análise da marcação miliária permitiu identificar dois tramos onde essa diferença é mais notória: a parte inicial à saída de Braga e o segmento que atravessa o Rio Ave para a Trofa.

No primeiro caso, a generalidade dos autores faz passar a via junto da “Igreja de Lomar” baseando-se numa notícia de Contador de Argote sobre um miliário a Crispo que ali existia (“Memórias…”, I, 236). Ora esta “Igreja de Lomar” seria a Igreja Paroquial de São Pedro (associada ao antigo mosteiro beneditino). Deste forma o percurso que tem sido proposto segue pela Ponte da Pedrinha, Mouta, Igreja de Lomar, Esporões, Trandeiras e Santo Estevão do Penso, cruzando depois a Portela do Castro do Monte Redondo rumo a Famalicão; no entanto, existe um percurso mais curto que partindo do Largo de Maximinos em Braga, seguia pela rua do Cruzeiro rumo a Figueiredo e a São Vicente do Peso, evitando assim o cruzamento do Rio da Veiga. Neste trajecto há uma coincidência da marcação miliária com alguns vestígios relevantes; de facto a primeira milha era vencida no lugar da Gandra na rua do Cruzeiro, junto a um possível marco romano; trata-se de bloco granítico bem talhado (eventual marco gromático) que terá “saído”, segundo vizinhos, das ruínas da casa anexa (ver no street view).

Pouco depois, a via cruza a linha férrea junto das «Alminhas da Estrada» e segue por Quintela onde subsiste um troço de via em razoável estado de conservação.

“Alminhas da Estrada” em Lomar, onde cruza a linha férrea
Possível troço da via romana em Quintela (Lomar)

A segunda milha seria atingida junto da travessia do Rio Este no lugar da Ponte Nova. Neste local existe uma ponte antiga (talvez medieval) e defronte temos a Capela de Lomar, conferindo-lhe uma função eminentemente viária. Tremenda coincidência que leva a pensar se o miliário de Crispo referido por Argote não estaria antes neste local; realmente é possível que o miliário tenha sido deslocado para a Igreja em data posterior ou poderá ter havido uma imprecisão no relato de Argote, visto que ele próprio reproduz uma notícia que lhe chegou por terceiros. Nas «Memórias Paroquiais» do século XVIII escrevia-se sobre Lomar: “Tem huma ponte de cantaria muito antiga que se chama a Ponte Nova“, indiciando uma velha passagem do rio muito mais antiga do que o topónimo sugere, até porque este local delimitava na época a Paróquia de Lomar, confrontando com Ferreiros.

Ponte de Lomar sobre o rio Este no lugar da Ponte Nova
Ponte e Capela de Lomar no lugar da Ponte Nova

Da Ponte Nova a via continua por Costa e Bemposta, atingindo a terceira milha junto das alminhas de São Miguel, continuando depois por Figueiredo (onde se assinalam vestígios na «Casa da Vila» e um tesouro monetário em Pipe) até São Vicente do Peso; seguia depois talvez pelas Alminhas da Senhor do Padrão (outro sugestivo topónimo), seguindo por Hospital (albergaria medieval), rumo à Portela do Monte Redondo, de onde descia a Vila Nova de Famalicão com miliários em Carreiras e São Cosme do Vale.

Ponte Medieval da Lagoncinha

O segundo desacerto está relacionado com a problemática questão do cruzamento do Rio Ave. A tradição historiográfica tem colocada esta travessia na Ponte Lagoncinha (construção medieval sem qualquer indício romano), solução que nunca foi convincente pois o alinhamento da ponte aponta na direcção de Santo Tirso e não da Trofa como seria expectável, obrigando a um percurso para a Trofa pela margem do rio, solução sempre evitada na viação antiga. Aliás, documentos medievais do Mosteiro de Santo Tirso referem a «Ponte Petrina» no rio Ave no limite norte do couto do mosteiro, sugerindo a ponte servia esta área e não a Trofa.

Proposta de traçado da via romana Bracara-Cale junto do Rio Ave

Deste modo, é mais provável que via continue por Montezelo para depois cruzar o rio Ave provavelmente na «Barca da Esprela», junto da foz do rio Pelhe (rio que vem a seguir deste a Portela do Monte Redondo), trajecto que é confirmado pelo miliário encontrado na Igreja Paroquial de Lousado em Montezelo (que estaria assim praticamente in situ), dado que este local se encontra a cerca de 2 milhas de Santa Catarina, onde apareceu outro miliário. Tudo leva a crer que este seria o verdadeiro traçado da via durante o período romano, encurtando o percurso algumas centenas de metros, o que permite acertar a marcação milária . ver itinerário aqui.