O Projecto
A VIA NOVA - História
Construção e manutenção da VIA NOVA
O Cursus Publicus
Viajar na Geira
Paisagem
A Circulação na Via
Mansiones
Mutationes
Milhas
Miliários
Milha XII
Milha XIII
Milha XIV
Milha XV
Milha XVI
Milha XVII
Milha XVIII
Milha XIX
Milha XX
Milha XXI
Milha XXII
Milha XXIII
Milha XXIV
Milha XXV
Milha XXVI
Milha XXVII
Milha XXVIII
Milha XXIX
Milha XXX
Milha XXXI
Milha XXXII
Milha XXXIII
Milha XXXIV
Milha XXXV
Milha XXXVI
Milha XXXVII
Milha XXXVIII
Milha XXXVI

A milha XXXVI, localizada em Chan dos Pasteroques, é assinalada por um conjunto de 7 marcos miliários.

Ainda que se apresente relativamente bem conservada, o seu lado direito tem sido largamente afecto pelas sucessivas derrocadas provenientes das encostas da serra do Gerês que, paulatinamente, lhe vão roubando altura.

Desde o momento que a Via entra em território espanhol até este preciso local, podem observar-se pequenas cruzes gravadas nas rochas, que obedecem, possivelmente, à vontade de cristianizar este caminho pagão.

Sensivelmente a 300 metros depois de Chan dos "Pasteroques", a Via transpõe a pequena corrente de Castro, proveniente da Serra do Gerês, desembocando, por sua vez, no rio Caldo. A corrente é vencida através de uma ponte da qual apenas se conservam alguns restos.

A calçada sai da estrada de Lovios e desenvolve-se agora pelo lado Este da estrada rumo ao Norte, acompanhando a margem direita do rio Caldo e o sopé da Serra do Gerês. Na sua descida coincide com a curva de ní­vel dos 500 metros e, ao longo de 400 metros apresenta-se praticamente intransitável devido à densa vegetação.

1/1