O Projecto
A VIA NOVA - História
Construção e manutenção da VIA NOVA
O Cursus Publicus
Viajar na Geira
Paisagem
A Circulação na Via
Mansiones
Mutationes
Milhas
Miliários
Milha XII
Milha XIII
Milha XIV
Milha XV
Milha XVI
Milha XVII
Milha XVIII
Milha XIX
Milha XX
Milha XXI
Milha XXII
Milha XXIII
Milha XXIV
Milha XXV
Milha XXVI
Milha XXVII
Milha XXVIII
Milha XXIX
Milha XXX
Milha XXXI
Milha XXXII
Milha XXXIII
Milha XXXIV
Milha XXXV
Milha XXXVI
Milha XXXVII
Milha XXXVIII
Milha XXI

Na milha XXI, no lugar de Travasso, freguesia de Vilar, a uma altitude de 460 metros, conservam-se dois marcos, um com inscrição, outro com o texto muito apagado, de difí­cil leitura. O primeiro, de acordo com vários autores é de Heliogábalo (218-222), datável do ano 219. Quando Martins Capella o observou estava tombado no leito de uma ribeira, salientando que alguns das letras já não se distinguiam. Segundo Amaro da Silva, o marco anepí­grafe a que se refere aquele autor não é o mesmo que actualmente se observa no local. Assim a esta milha corresponderiam três marcos.

Próximo do ponto onde se situam os miliários nota-se uma possí­vel pedreira antiga. Aos 40 metros cruza um ribeiro. Neste ponto notam-se vestí­gios de rodados.

Deste ponto em diante pode observar-se uma série de calçadas: entre 1125 e 1240 metros; aos 1378 metros; aos 1497 metros; entre os 1581 e 1594 metros, cruzando uma ribeira; entre os 1619 e 1628 metros.

Amaro Carvalho da Silva, no lugar de Pontido, no termo do lugar de Travassos, recolheu fragmentos de tegulae. Assim sugere que nesse ponto poderia ficar a Mansio Salatiana.

Entre os conjuntos de marcos das milhas XXI e XXII contam-se 1700 metros.

Mapa da milha XXI; base cartográfica do Instituto Geográfico Militar adaptada pelo Parque Nacional da Peneda-Gerês.
1/6