O Projecto
A VIA NOVA - História
Construção e manutenção da VIA NOVA
O Cursus Publicus
Viajar na Geira
Paisagem
Conquista do Noroeste Peninsular
Organização do Território e Implantação da Rede Viária
Consolidação da Romanização e a abertura da VIA NOVA
A VIA NOVA no Alto Império
A VIA NOVA no Baixo Império
Viajantes
A VIA NOVA no Alto Império

A VIA NOVA, sob as dinastias dos Flávios e Antoninos, assinala uma nova fase do desenvolvimento do Noroeste Ibérico, em que a rede viária assume uma função polí­tica, administrativa e económica relevante. Sob a alçada de Tito e Domiciano, as regiões interiores da Callaecia vão ser rasgadas e aproximadas, com a abertura da VIA NOVA, verdadeiro eixo diagonal que atravessava a Serra do Gerês e as montanhas da Galiza interior. A iniciativa dos Flávios constitui uma nova etapa da polí­tica de Augusto, o reforço do sistema dos grandes eixos viários, como canais de urbanismo, facultando o estatuto municipal a numerosos aglomerados: Iria Flavia, Flavium Brigantium, Bergidum Flavium, Interamnium Flavium, Aquae Flaviae. A hierarquização da rede urbana leva, por outro lado, à emergência de Fora - Forum Limicorum e Forum Gigurrorum, que se localizavam, junto ou próximo da VIA NOVA.

Com a dinastia dos Antoninos, no século II, Braga e Astorga, bem como a rede viária que controlam, assumem o estatuto de verdadeiras portas de entrada para o Noroeste. A triangulação entre as capitais de conventus - Braga, Lugo e Astorga, para além de ser reforçada pela VIA NOVA, é completada por variantes (diverticula) e numerosas vias secundarias.

Depois de uma fase mais conturbada, vivida na segunda metade da dinastia dos Antoninos, a chegada ao poder dos Sevéros marca um novo perí­odo de afirmação do poder imperial. Ao longo do século III são numerosos os imperadores registados em miliários da VIA NOVA destacando-se, pelo significado de polí­tica edilí­cia, os marcos de Máximo e Maximiano (235-238).

Antoniano de Galieno (267 d.C).
1/8