O Projecto
A VIA NOVA - História
Construção e manutenção da VIA NOVA
O Cursus Publicus
Viajar na Geira
Paisagem
Conquista do Noroeste Peninsular
Organização do Território e Implantação da Rede Viária
Consolidação da Romanização e a abertura da VIA NOVA
A VIA NOVA no Alto Império
A VIA NOVA no Baixo Império
Viajantes
Conquista do Noroeste Peninsular

No ano 216-214 a.C., pela primeira vez, um exército romano invadiu o Nordeste da Pení­nsula Ibérica, na sequência da segunda guerra entre Roma e Cartago. Os Cartagineses e os seus aliados ibéricos foram então vencidos, mas a conquista da Pení­nsula foi paulatina, demorada e arrí­tmica. Na verdade, o Noroeste da Pení­nsula apenas entrou em conflito directo com as legiões romanas quase um século depois, em 138-136 a.C., quando se verificou a incursão de Decimus Iunius Brutus. As forças comandadas pelo cí´nsul romano cruzaram o rio Douro, penetraram na Callaecia e chegaram mesmo a ultrapassar o rio Lima, referindo-se as fontes históricas a uma importante batalha em que os Bracari teriam sido vencidos. Após esta primeira expedição, aumentou a influência do mundo romano no Noroeste Peninsular. No entanto, novos movimentos militares, dirigidos por Licinius Crassus (96 a.C.), M. Perpena (74 a.C.), e Iulius Caesar (61 a.C.), revelam que a Callaecia não ficou totalmente pacificada.

A integração formal dos Galaicos, ístures e Cântabros no Império Romano, apenas se viria a concretizar depois das campanhas de Augusto, entre 26 e 19 a.C. Nos anos subsequentes ainda se verificaram revoltas e combates entre ístures e Cântabros, por um lado, e legiões romanas, por outro. Só na última década do século I a.C. o Noroeste é, definitivamente, pacificado.

Citânia de Briteiros - panorâmica da encosta sudoeste, observando-se dois dos principais arruamentos do povoado.
1/8