O Projecto
A VIA NOVA - História
Construção e manutenção da VIA NOVA
O Cursus Publicus
Viajar na Geira
Paisagem
Conquista do Noroeste Peninsular
Organização do Território e Implantação da Rede Viária
Consolidação da Romanização e a abertura da VIA NOVA
A VIA NOVA no Alto Império
A VIA NOVA no Baixo Império
Viajantes
Consolidação da Romanização e a abertura da VIA NOVA

A polí­tica de romanização do Noroeste é prosseguida sob os restantes imperadores da dinastia júlio-cláudia: Tibério (14-37 d.C.), Cláudio (37-41) e Nero (54-68). Com o assassinato deste último termina a primeira dinastia do Império Romano. No quadro da crise aberta pelo fim da referida dinastia, destaca-se a intervenção do governador da Hispania Citerior, Galba, que é aclamado imperador. Porém, Galba apenas reinará durante seis meses, pois também é morto. Todavia, a sua ascensão ao trono, embora efémera, assinala a importância crescente da Hispania no quadro do Império Romano. A fechar um conturbado perí­odo de pouco mais de um ano em que se sucedem três efémeros imperadores, emergiu uma nova dinastia, a dos Flávios, fundada por um general de origem humilde, Vespasiano.

Os textos de autores gregos e latinos, bem como os dados arqueológicos, demonstram que, sob o governo dos Flávios, a Hispania e o Noroeste Peninsular se inserem, definitivamente, no quadro da civilização romana. O imperador Vespasiano (69-74) concede o Ius Latius, que permite a determinados indí­genas ascenderem à cidadania romana. Assiste-se à emergência de novos municí­pios (por exemplo, Aquae Flaviae e Iria Flavia), enquanto que outros centros urbanos se renovam e expandem. Verifica-se uma intensificação da actividade mineira e um crescimento global da economia.

í‰, neste contexto, que se projecta e concretiza a abertura de uma nova estrada entre Bracara e Asturica, estrada que recebe o nome de VIA NOVA, e que será citada numa das várias edições do Itinerário de Antonino, como a XVIII.

A nova estrada corta em diagonal o triângulo polí­tico-administrativo e viário estabelecido por Augusto, com vértices nas três cidades: Bracara, Lucus e Asturica. A VIA NOVA cruza o interior montanhoso da Callaecia, bem como o núcleo central das explorações aurí­feras, a zona do Bierzo, onde se localiza Bergidum Flavium, uma das mansiones citadas no Itinerário, e o complexo mineiro de "Las Médulas", classificado como Património Mundial.

Moeda Hispânica, As de Tibério em bronze (14-33 d.C).
1/9