O Projecto
A VIA NOVA - História
Construção e manutenção da VIA NOVA
O Cursus Publicus
Viajar na Geira
Paisagem
Percurso de Média Duração
Percurso a cavalo
Percurso de Longa Duração
Percurso de Média Duração

[1]Milha XII - XIV

O percurso pedestre entre a milha XII e a milha XIV inicia-se junto ao miliário localizado na Ribeira da Pala, na freguesia de Paredes Secas. Num trajecto suave, entramos já na milha XIII onde existia um outro miliário que foi deslocado para o adro da Igreja Paroquial. A partir da milha XII o caminho sobe de forma acentuada até alcançar a Portela de Santa Cruz. Após descrever uma ligeira curva à esquerda, no lugar de Padreiro ou Fojo, pertencente à freguesia de Souto, a milha XIV aparece enquadrada, do seu lado direito, por um conjunto de sete marcos miliários.

[2]Milha XIV - XVII

Tendo como pano de fundo o vale do rio Homem e uma magní­fica paisagem de montanha, pisando as marcas dos antigos rodados que outrora aqui circulavam, entramos rapidamente na milha XV, assinalada por dois miliários, um do lado direito e outro à face esquerda da via.

Mantendo sempre uma panorâmica fabulosa sobre o vale do rio Homem que se estende no horizonte, o caminhante pode refugiar-se do tórrido sol debaixo de sombrios carvalhos e castanheiros, admirando a rebeldia dos garranos selvagens, antes mesmo de chegar à milha XVI.

Assinalada por um miliário, em Penedo dos Teixugos, a milha XVI acompanha a Geira por debaixo do Monte das Caldeiras e do Fragão, até alcançar a capela de São Sebastião. Cruza-se, depois, a EM 535-2, para, junto à ribeira de Cabaninhas, após uma curva à esquerda, dar entrada na milha XVII.

[3]Milha XVII - Milha XX/XXI até Travassos

Entre a milha XVII, assinalada por dois miliários do lado esquerdo da via, e a milha XIX, localizada em Lajeados, o viandante poderá percorrer um local aprazí­vel e bucólico onde impera o som do correrio das águas e a sombra gerada pelos frondosos carvalhos que se assumem como um verdadeiro pulmão da Geira.

Contornando o Alto do Falanco, a via continua entre Outeiro da Pena e Barreiros, no sentido de Podrigueiras e Penedo dos Ladrões, encontrando-se aqui duas colunas que assinalam a milha XX.

Seguindo em direcção a Travassos, pelo caminho municipal em alcatrão, destacamos a passagem por um moinho de rodí­zio.

[4]Milha XX/XXI - Milha XXIII

Ao tomar a direcção da Ribeira das Cales, encontram-se dois miliários à margem do caminho, assinalando a milha XXI.

Daqui até à milha XXIII, localizada em Esporões, abaixo de Padrós, para além dos três miliários, é ainda possí­vel admirar um conjunto paisagí­stico enquadrado por ramadas de vinha, cortes de gado e regadios tradicionais.

[5]Milha XXIII - XXIV até Quebrada

De acesso rápido mas bastante sinuoso, o percurso entre estas duas milhas obriga o caminhante a ir ao encontro da EM 535. A via segue em frente, reentrando, novamente, num caminho de pé posto e cruzando a EN 307 mais à frente, seguindo para o Ribeiro da Roda.

[6]Quebrada (Milha XXIV) - Milha XXVII

Indo ao encontro da EN 307, a qual seguimos até Sá, rapidamente avistamos o miliário de Décio (250) que se encontra transformado em cruzeiro e que assinala a milha XXV.

Depois de se atravessar a área de Covide, encontramos a placa a indicar Várzeas, pelo que se deve seguir esta indicação até encontrar a milha XXVI, balizada por um miliário à margem esquerda da estrada, no lugar da Jeirinha. Daqui até a milha seguinte o percurso é bastante suave.

Esta milha encontra-se localizada à face esquerda da EN 307 por um miliário, na divisória entre Covide e S. João de Campo. Mais à frente, um outro miliário a servir de fuste de Cruzeiro de Campo. Nas imediações deste cruzeiro encontramos o Museu de Vilarinho das Furnas.

[7]Milha XXVII - Milha XIX

Ladeando a Veiga de S. João e sempre pela EN 307, atravessando duas pontes e outros tantos ribeiros, vamos deixando os montes da Calcedónia do lado direito para nos aventurarmos pelo Gerês, seguindo em direcção a Vilarinho da Furna e do Parque de Campismo de Cerdeira.

Deste ponto, descendo até à Volta do Gaivão, avistamos a milha XXIX, singular por albergar um conjunto de treze elementos entre miliários e fragmentos.

[8]Milha XXX - XXXII

O trajecto entre estas duas milhas, singular pela sua riqueza arqueológica, permite observar todo um conjunto de vivências dos nossos anteparados.

Entre estas duas milhas é possí­vel observar as ruí­nas de um edifí­cio, escavado em 1992, em forma de rectângulo, aparelhado com pedra picada e bons alicerces, que poderá ter sido uma mutatio. Para além da mutatio, é ainda visí­vel um troço original da via assente em grandes lages. Um pouco antes deste lajeado, na base da encosta, sobressai um penedo com pequenas cavidades rectangulares em linha e separadas por intervalos iguais, demonstrando a técnica usada para a extracção de blocos graní­ticos. Ainda no Bico da Geira podemos encontrar um aglomerado de vinte e um miliários assinalando a milha XXI.

Através da estrada florestal, resguardada por um belí­ssimo carvalhal, alcançamos a milha XXXII, na Volta do Covo, onde se regista um conjunto de 22 miliários.

Na Albergaria, um pouco adiante deste local, encontra-se o que resta de duas pequenas pontes romanas. Ao que tudo indica, a avaliar pelas escavações realizadas entre 1985 e 1987, no espaço entre as duas obras de arte, é possí­vel que aqui tivesse existido uma instalação romana que poderia, eventualmente, ser um posto de controlo ou uma statione.

[9]Milha XXXII - XXXIV

Entre a milha XXXII e a XXXIII, a via segue sem grandes oscilações de cota, entre bosque, até junto da Ponte Feia onde se situava a milha XXXIII, assinalada por um aglomerado de vinte miliários.

Da milha XXXIII à milha XXXIV assinalamos alguns vestí­gios de uma pedreira de onde se extraí­ram os miliários desta milha e o material para a construção da Ponte de São Miguel.

O acesso à milha seguinte é feito pela margem direita do rio Homem, passando em frente a uma Casa Florestal, transpondo uma ribeira e alcançando finalmente a milha XXXIV.

[10]Milha XXXIV - Milha XXXIX

Na Portela do Homem, milha XXXIV, fronteira com a vizinha Galiza, encontramos um conjunto de miliários que delimitam e abrem horizontes para a Espanha e para o Vale do Lima.

Já em território Espanhol, assinalamos, em Lama de Picón, local onde se localiza a milha XXXV, um miliário in sito e talvez uma possí­vel mutatio.

Passando por Chã dos Pasteroques, milha XXXVI, onde se registam 5 miliários, por Pala Falsa, milha XXXVII e por Corgas da Fecha e de Agualevada, chegamos ao lugar de Banhos, onde se localiza Aquis Originis, a segunda mansio da VIA NOVA, assinalando a milha XXXIX.

Marco deslocado do seu posicionamento original (Santa Cruz - Amares - Terras de Bouro).
1/1