Calçada do Arco em Campeã

Este troço lajeado que cruza a aldeia da Campeã em plena Serra do Marão deveria integrar um grande itinerário que ligava Bracara ao Rio Douro. Partindo de Braga, a via seguia inicialmente por São Martinho de Sande, onde apareceu um miliário, cruzava depois o rio Ave na Ponte Romana de Campelos (a sudoeste de Guimarães) e mais adiante cruzava o rio Vizela na Ponte Romana do Arco.

Daqui prosseguia por Pombeiro de Ribavizela e Margaride até ao Alto da Lixa, nó viário de onde derivava uma outra via rumo Tongóbriga e à travessia do Rio Douro em Várzea do Douro. Por sua vez este itinerário para sudoeste rumo à travessia da Serra do Marão. A travessia do rio Tâmega não seria em Amarante como se tem afirmado, mas um pouco a montante da ponte medieval, junto da povoação de Gatão e do povoado proto-histórico do Ladário. Esta povoação seria designada na época romana por «Atucauca», atendendo à ara votiva dedicada a Júpiter colocada pelos «vicani Atucausensis» encontrada nas proximidades (na Quinta dos Pascoais, a actual casa-museu da família de Teixeira de Pascoais).

Cruzado o rio Tâmega, a via iniciava a difícil ascensão da Serra do Marão seguindo por Pousadela, Velha Albergaria e Covelo do Monte até ao Alto de Espinho (e não pela Calçada do Marancinho como se ter afirmado), descendo depois pelos topónimos «Fonte do Ladrão» e «Corredoura» à aldeia da Campeã. Nesta povoação, no lugar das «Vendas», junto da Capela de São Roque, poderá ter existido uma mutatio de apoio à estrada. Logo depois surgem os primeiros metros lajeados da antiga estrada designada localmente por «Caminho Romano” ou «Calçada do Arco».

Troço lajeado, marmoiral medieval (?), esteiros e cruzeiro à margem da Calçada do Arco em Campeã (Fotos de Carlos Balsa).

A parte conservada da calçada com cerca de 200 m continua para nascente, mas não é claro qual a direcção que tomava a partir daí. A continuação para Vila Real será muito posterior dado que esta cidade ainda não tinha sido fundada. Assim é mais provável que daqui a via rumasse para sul rumo à travessia do Rio Douro junto do Peso da Régua, continuando na margem sul por Valdigem e Moimenta da Beira, presumivelmente rumo a Mérida, formando assim um grande itinerário de carácter transregional.

Sem qualquer tipo de protecção, este troço continua em perigo de ser destruído; por essa razão, a junta de freguesia da Campeã iniciou o processo de pedido de classificação da «Calçada do Arco« com. Mais informação em “Arquivo de Memórias” no seguinte endereço: https://www.facebook.com/ArquivodeMemorias2001/

(agradeço a colaboração de Carlos Balsa neste post)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *